Sobre


Senhor F, independência e pioneirismo na internet brasileira




da Redação

Senhor F inaugura sua nova edição durante as comemorações dos 15 anos da revista, agência de notícias e, agora, portal voltado para a integração iberoamericana. O novo projeto contou com o apoio do Ministério da Cultura do Brasil por meio do prêmio do Edital de Iniciativas Empreendedoras e Inovadoras promovido pela Secretaria da Economia Criativa do Ministério da Cultura do Brasil. O projeto foi desenvolvido em parceria com a agência Woodoo de Porto Alegre, responsável pelos sites mais interessantes e criativas da área cultural de Porto Alegre. Em sua nova fase editorial, o portal continua sendo editado pelo jornalista Fernando Rosa, curador do festival El Mapa de Todos e produtor e apresentador do programa Senhor F Sem Fronteira, na Rádio Câmara.

O portal Senhor F tem como proposta editorial divulgar, promover e integrar a produção musical independente brasileira e iberoamericana. Desde sua origem, trata de temas voltados para o resgate da história do rock brasileiro, o estímulo à produção independente e a busca da integração iberoamericana. Nesse sentido, a publicação produziu textos, resenhas de discos, matérias e entrevistas com os principais artistas da história do rock nacional e latinoamericano, em especial. Além disso, desenvolveu ferramentas como “paradas mensais” com música independente, lançamentos virtuais e programas de rádio, que contribuíram para difundir a produção independente além dos grandes centros.

Ainda como revista/site, Senhor F surgiu em 1998, com uma estética visual próxima aos tradicionais fanzines, como estratégia de aproximação com um público ainda ligado às mídias clássicas e pouco familiarizado com a linguagem da internet. Com a democratização do acesso à internet, especialmente com o uso da banda larga, a revista transformou-se em um portal, agregando diversas seções, uma Agência Diária de notícias e outras ferramentas, como programas de rádio e uma plataforma de lançamento de discos virtuais. A navegação, a estética visual do portal e a mídia utilizada, no caso o texto e o som, contribuíram para sintonizar milhares de jovens país, Latino-América e mundo afora.

A partir do portal um conjunto de outras atividades desenvolveram-se sob a mesma orientação estética, musical e de política cultural. Ao longo dos 15 anos, foram produzidos três programas de rádio (Usina do Som, Rádio Cultura do DF e Rádio Câmara), um evento com periodicidade mensal (Noite Senhor F), outros eventos como Senhor Festival, Super Noite Senhor F e Senhor F Meio Desligado, um festival com periodicidade anual (El Mapa de Todos), um selo físico e diversas parcerias com outras publicações. Além da nacional Bizz, o editor de Senhor F, Fernando Rosa, também colaborou com as revistas Brazuca, editada na França, e Zona de Obras, na Espanha.

Vanguarda na formação de redes por conteúdo

Inicialmente, a publicação esteve mais voltada para o resgate da história do rock brasileiro, buscando valorizar aspectos pouco divulgados pela mídia tradicional. Assim, ao longo de dez anos, passaram pela revista segredos, mistérios e obscuridades fundamentais para a compreensão de sua dinâmica além do “oficialismo”. Entre eles, personagens como o “Ronnie Von psicodélico”, discos raros como “Paebirú, o caminho do sol” e raridades discográficas com a estréia de Lanny Gordin com Eduardo Araújo. A redescoberta de discos raros também ajudou a orientar a política de reedição de produtores como Charles Gavin.

Ao mesmo tempo, a publicação valeu-se de sua condição online para vincular-se estreitamente com a cena independente emergente em festivais, selos alternativos e novos grupos. Com essa definição editorial, Senhor F tornou-se a principal referência para essa parcela da juventude, contribuindo com sua formação musical, estética e existencial. A maioria dos grupos que hoje transitam pelos palcos dos festivais nacionais tiveram suas primeiras demos divulgadas pela revista, do que são exemplos Bidê ou Balde, Vanguart e Los Porongas, entre outros. A publicação também estimulou o surgimento de novos sites e blogs regionais.

Antes num terceiro plano, mas sempre presente nas edições da revista, atualmente a divulgação da música sul-americana, e também ibero-americana, ocupa o centro da proposta editorial do portal. Sintonizada com a nova política de integração vigente no continente, o portal Senhor F transformou-se, a partir de janeiro de 2009, em portal sul-americano, com informações comuns ao conjunto dos países, ainda que com um peso ainda maior para os temas nacionais. Nessa direção, o noticiário da Agência Senhor F tornou-se mais abrangente, um acompanhamento mais próximo das cenas locais passou a integrar o noticiário do portal, assim com a publicação de resenhas de lançamentos e discos clássicos.

Uma rede de colaboradores espalhados pelo mundo

O portal Senhor F é editado pelo jornalista, curador e pesquisador Fernando Rosa, à frente de uma equipe de colaboradores, responsáveis pela publicação dos conteúdos, soluções de webdesign e criação artística. Ao mesmo tempo, o portal contou, e continua contando, com uma série de colaboradores, periódicos ou ocasionais, das mais diferentes origens, gerações e, mesmo, países. Entre eles, o historiador Nélio Rodrigues, o jornalista e pesquisador Ayrton Mugnaini, os jornalistas Ana Maria Bahiana, Fernando Naporano, Olimpio Cruz Neto, Humberto Rezende e Pedro Brandt, o músico Albert Pavão e dezenas de jovens estudantes de jornalismo, de vários estados do país.

A revista e agência Senhor F manteve historicamente um público fidelizado em torno de 50 mil pessoas/acessos por mês, sem contar com a interação realizada por meio das ferramentas agregadas ao portal, especialmente os programas de rádio. O público atingido pelo portal é formado principalmente por jovens que orbitam em torno da cena independente, em todas as regiões do país, por pessoas de várias gerações do rock nacional, por jornalistas da mídia especializada e por leitores também especializados da América Latina e de outros países. Agora, com a nova orientação editorial, a abrangência do portal tende a ampliar-se cada vez mais do regional/nacional para o continental, com leitores em todos os países da América do Sul.