O jardim elétrico dos Mutantes



24 Fevereiro 2017

por Fernando Rosa

Em julho de 1968, é lançado o primeiro disco dos Mutantes, batizado com o nome da banda, pelo selo Polydor. Com produção do maestro Rogério Duprat, o álbum trazia as clássicas Panis Et Circensis, de Caetano Veloso e Gilberto Gil – que deu nome ao disco Tropicália ou Panis Et Circensis, A Minha Menina, de Jorge Ben, e Bat Macumbá, também de Gil e Caetano. No mesmo disco, está Senhor F, que deu nome a esta publicação, primeira música composta por Sérgio Dias, então com 14 anos.

No mesmo mês de julho, três anos antes, ainda um sexteto e com o nome de Six Sided Rockers, o grupo estreiou ao vivo na 3ª Jam Session, um evento voltado para o jazz e o blues, realizado no Auditório do jornal Folha de S. Paulo, no centro da capital paulista. Integravam o Six Sided Rockers os músicos Arnaldo Baptista (baixo), Rita Lee (vocal), Sérgio Dias (guitarra-solo), Rafael Vilardi (guitarra-base), Sueli Chagas (vocal) e Luiz Pastura (bateria). Arnaldo, Sérgio e Rita mais tarde formaram Os Mutantes.

Uma mistura de Wooden Faces (Rafael, Arnaldo, Tobé, Robertinho, Sérgio Orlando) mais The Teenage Singers (Rita Lee, Suely, Jean e Beatrice, depois Eliane e Rosa), deu no Six Sided Rockers, apaulistado para O’Seis, o legendário pré-Mutantes. Arnaldo e Rafael também tinham participado do grupo The Thunders, antes do Wooden Faces, e Rita Lee do Túlio Trio, tocando banjo, ao lado do tecladista Túlio e de Suely, que tocava violão. Ligados ao artista plástico Antônio Peticov, espécie de empresário da banda, O'Seis agitou a capital paulista, incluindo aparições na televisão, e no palco da Folha de S. Paulo, por mais de dois anos.

Em 1966, ainda como O'Seis, os futuros Mutantes realizam sua primeira gravação individual, com o antológico compacto pela Continental, contendo as clássicas Suicida e Apocalipse com letras vanguardistas e divertidas para a época. Com a saída de Rafael, Pastura e Mogly, que tinha entrado em lugar de Suely, Arnaldo, Serginho e Rita assumem por algum tempo o nome de O Konjunto para, em seguida, assumirem o nome definitivo de Os Mutantes, gravando seu primeiro LP em 1967.

Rafael Vilardi, depois de abandonar O'Seis, tocou com os Baobás por algum tempo, gravando o compacto Down Down/Happy Together, e também fez parte dos grupos Suely & Os Kantikus, ao lado da ex-parceira e do guitarrista Lany Gordin, colm que também gravou o compacto Que Bacana/Esperanto, e ainda dos Tremendões, que acompanhavam Erasmo Carlos. O baixista Liminha, por sua vez, tinha tocado com os grupos The Thunders, Lunáticos e Baobás (no compacto contendo Ligth My Fire, e o baterista Dinho tocava com Os Bruxos, grupo que acompanhava Ronnie Von em disco e programas de televisão.

A partir de então, eles se unem ao maestro Rogério Duprat (espécie de George Martin do grupo), aos tropicalistas Gilberto Gil e Caetano Veloso e ao produtor Manoel Barenbein, transformando-se no maior grupo de rock e de música jovem da história do país e um dos melhores do mundo. Ao lado de Gilberto Gil, defenderam a canção Domingo no Parque, utilizando guitarras elétricas e provocando a ira conservadora, marcando um dos momentos mais importantes da geração dos anos sessenta e da história da música brasileira jovem.

Com a formação original - Arnaldo, Sérginho e Rita, depois Dinho (bateria) e Liminha (baixo) - os Mutantes gravaram cinco discos clássicos: Os Mutantes (68), Mutantes (69), A Divina Comédia ... ou Ando Meio Desligado (70), Jardim Elétrico (71) e Mutantes e Seus Cometas no País do Baurets (72). Sem Rita Lee, gravaram O A e o Z (73); apenas com Sergio Dias, e outros integrantes, ainda são gravados mais dois álbuns: Tudo Foi Feito Pelo Sol (74) e Ao Vivo (76), com uma sonoridade orientada para o rock progressivo e pesado que marcou aquele período. A banda também se faz presente nos discos Build Up e Hoje é o Primeiro Dia do Resto de Sua Vida, de Rita Lee.

Ainda como Mutantes, em sua formação original, eles gravaram um LP na França, chamado Technicolor (70), participaram dos discos Tropicalia (68), Gilberto Gil (67), Caetano Veloso (68), Ronnie Von (67) e A Banda Tropicalista do Duprat (68). Também participaram das gravações de Bom Dia, compacto de Nana Caymmi, É Proibido Proibir, de Caetano Veloso (estúdio e ao vivo, no festival) e do clássico compacto duplo ao vivo, com Caetano Veloso, intepretando as músicas A Voz do Morto, Baby, Marcianita e Saudosismo.

Com o fim dos Mutantes, Rita Lee transformou-se na nova Rainha do Rock brasileiro, gravando vários LPs ao longo das décadas seguintes, em seus melhores momentos ao lado da banda Tutti Frutti, e depois, do marido Roberto Carvalho. Arnaldo Baptista gravou discos clássicos, como Loki? (74), Elo Perdido (78), com o grupo Patrulha do Espaço, Faremos uma Noitada Excelente (78), também com a Patrulha, e Singin' Alone (82). E Sérgio Dias lanços os discos Sérgio Dias (80) e Matogrosso (90, com Phil Manzanera, ex-Roxy Music), entre outros. Nos anos dois mil, Sérgio Dias e Dinho reativaram o grupo, com shows e discos gravados.



O mundo dos pré-Mutantes

Os Mutantes nasceram para o mundo do rock em 1967, quando Ronnie Von batizou a banda e abriu espaço em seu programa de televisão. Mas, antes disso, Arnaldo, Rita e Serginho já tinham percorrido um longo caminho, passando por grupos e experiências as mais diversas. A seguir, apresentamos um pequeno resumo das trajetórias dos três, e também de outros músicos que se agregaram à banda, antes e depois.

The Thunders (1) - Grupo formado em 1962, no bairro da Pompéia, em São Paulo, por Arnaldo Baptista (baixo), Cláudio César Baptista (guitarra-base), Rafael Vilardi (guitarra solo) e José Roberto Rocco-Gaguinho (bateria), substituído por Luiz Pastura. O grupo teve curta duração, e acabou com a saída de Arnaldo e Rafael que foram tocar com o The Wooden Faces, grupo que também atuava na capital paulista. Cláudio César abandonou a carreira de músico e passou a dedicar-se a construção de guitarras, que ficaram famosas entre os músicos da época.

The Flashs - Grupo de twist formado por Arnaldo Baptista e Rafael Vilardi, com participação de Sérgio Dias na guitarra, logo após o fim dos Wooden Faces. O grupo tinha caráter provisório, logo ampliado com o convite feito às ex-Teenager Singers, Rita Lee e Suely Chagas. Com as duas cantoras, mais o baterista Luiz Pastura, estava formado o Six Sided Rockers, depois O'Seis, o definitivo pré-Mutantes. Articulado por Antônio Peticov, o "super-grupo" tinha entre suas atividades, acompanhar o pianista Túlio, que morreu em um acidente de carro.

The Wooden Faces - Formada em 1963, contava com Arnaldo Baptista (baixo), Rafael Vilardi (guitarra), Tobé (guitarra-base), Robertinho (bateria) e Sergio Orlando (piano). O grupo já existia antes da entrada de Arnaldo e Rafael Vilardi, formado por Tobé (guitarra), Sérgio Orlando (piano), Robertinho (bateria) e Zé Eduardo (baixo), animando festinhas na Vila Mariana, Pompéia e outros bairros da capital paulista. O guitarrista Tobé, junto com Rafael Vilardi, é autor das músicas Suicida, de O'Seis e Não Vá se Perder Por Aí, gravada pelos Mutantes, no álbum A Divina Comédia ... ou Ando Meio Desligado.

Danny, Chester & Ginny - Trio na linha Peter, Paul & Mary, formado por Rita Lee (Danny), sua irmã Virginia Lee (Ginny) e o violonista e depois guitarrista Carlos Bogossian (Bogô). Formado em 1964, atuou por pouco tempo em festinhas do bairro Vila Mariana, em São Paulo, cantando canções dos Everly Brothers e Peter, Paul & Mary. Com o fim do grupo, Rita remontou o Teenage Singers, Bogô fundou o Beatniks (grupo de apoio do programa Jovem Guarda, na TV record) e Viginia deixou a música.

Túlio Trio - Túlio Trio contava com o tecladista Túlio mais Rita Lee no banjo e Suely Chagas no violão. Amigo de Antônio Peticov, mais velho e músico excepcional, Túlio apresentava-se no programa de televisão de Antônio Aguilar, com relativo sucesso. Em julho de 1965, o Túlio Trio foi o destaque da III Jam Session da Folha de S. Paulo e, com seu outro grupo, os Hitch-Hikers, chegou a gravar a música I Got a Woman (Ray Charles), no LP Antônio Aguilar Apresenta o Reino da Juventude. Túlio morreu em um acidente de carro, no interior de São Paulo, selando o fim do trio.

The Teenage Singers - Grupo vocal fomado por Rita Lee, Suely Chagas, e as colegas de colégio, Jean e Beatrice. O grupo estreou no concurso para novos conjuntos promovido pelo programa do disc-jockey Miguel Vaccaro Netto, na Rádio Record. Em 1965, fazem backing vocals para o cantor Tony Campello no compacto Pertinho do Mar/Meu Bem Só Quer Chorar Perto de Mim, único registro do grupo. Jean e Beatrice abandonaram o grupo e a música, sendo substituídas por Rosa e Eliane, que também saíram em seguida, dando fim ao Teenage Singers.

O'Seis (The Six Sided Rockers) - O pré-Mutantes formado por Arnaldo, Serginho, Rita Lee, Rafael, Suely (depois Mogly) e Pastura. Com este nome, gravaram um único compacto pela Continental, com capa-cover de 'Meet The Beatles', com Suicida e Apocalipse. O'Seis agitou a capital paulista, incluindo aparições na televisão, e no palco da Folha de S. Paulo, por mais de dois anos. Conta a lenda que existe um acetato de um desse shows, realizado no mês de setembro, com registro das músicas This Diamond Ring e This Girl.

Os Bruxos - Grupo do baterista Dinho, que passou a integrar os Mutantes, a partir do terceiro disco. Também faziam parte do grupo Nelson (guitarra-base) e Henrique (guitarra solo). Acompanhavam o cantor Ronnie Von na televisão e participaram da gravação de seu segundo álbum.

The Thunders (2) - Primeira banda do baixista Liminha, que passou a integrar os Mutantes a partir do quarto álbum. Integravam o grupo Ernestinho (guitarra), Nacional Kid (guitarra), Sérgio (bateria) e Paulo (guitarra). Nacional Kid tocou nos anos oitenta com a banda Rock' It, ao lado de Bogô, ex-guitarrista dos Beatniks.

Os Lunáticos - Antes The Mooners, é outra banda da qual Liminha fez parte, antes de ingressar nos Mutantes. Integravam o grupo Carlos Eduardo "Tuca" Aun (guitarra), Maurício Camargo de Brito (teclados), Armindo Ferreira de Castro – Mindão (baixo), depois substituído por Liminha, e Tony, depois Abdia (bateria). Entre 65 e 66, acompanharam Albert Pavão, especialmente em Tio Patinhas.

Os Baobás - Banda em que também tocou o baixista Liminha, no compacto com a música Light My Fire apenas. Além de Ronnie Von, Os Baobás acompanhou Caetano Veloso em programas de televisão, e em shows pelo Brasil, substituindo os Beat Boys, e ainda apareceu nos programas do Chacrinha, no Rio, e nos palcos das domingueiras paulistanas.

Suely & Os Kantikus - Grupo de Suely Chagas, que contava com a participação dos guitarristas Lanny Gordin e Rafael Vilardi. Gravou apenas um compacto (1968), com as músicas 'Que Bacana' e Esperanto. Que Bacana ganhou o Festival Universitário realizado pelo Canal 4, de São Paulo.

Os Tremendões - Grupo do qual fez parte Rafael Vilardi, e que acompanhou o Tremendão Erasmo Carlos, por volta de 1967. Integravam Os Tremendões, além de Vilardi, Eduardo Bastos Lemos (bateria) e Régis (teclados). Segundo consta, Rafael teria optado pelos Tremendões, apesar de receber insistentes pedidos para que integrasse os Mutantes.



Discografia

A discografia dos Mutantes é dispersa, mas extremamente rica em sua diversidade. Senhor F lista abaixo tudo que foi lançado em LP, compactos, participações em discos de outros artistas e trilhas de filmes. Para a sua elaboração colaborou Leandro Sá, antes e depois de integrar a Bidê ou Balde. 


LPs/CDs

# Os Mutantes (1968)
# Mutantes (1969)
# A Divina Comédia ... ou Ando Meio Desligado (1970)
# Jardim Elétrico (971)
# Mutantes e Seus Cometas no País do Baurets (1972)
# Rita Lee/Mutantes - Hoje é o Primeiro Dia do Resto da Sua Vida
# A e o Z (1973)
# Tudo Foi Feito Pelo Sol (1974)
# Ao Vivo (1976)
# Tecnicolor (1970)
# Box LPs dos Mutantes (2017, 7 LPs, 180g)


Compactos

# O´Seis - Suicida e Apocalipse (1966)
# Mutantes - A Minha Menina/Adeus Maria Fulô (1968)
# Mutantes - Ando Meio Desligado/Não Vá Se Perder Por Ai (a primeira em raríssima versão longa, com sons de metralhadoras, 1969)
# Mutantes - Caminhante Noturno (ao vivo)/2.001 (IV Festival da Música Popular Brasileira/TV Record, 1969)
# Mutantes - 2001/Dom Quixote (estúdio, IV Festival da Música Popular Brasileira TV Record de São Paulo, 1969)
# Mutantes - It´s Very Nice Pra Xuxu/Top Top (1971)
# Caetano Veloso e Os Mutantes - A Voz do Morto, Baby, Marcianita e Saudosismo (ao vivo, 1968)
# Mutantes - Mande um Abraço Pra Velha (7 Festival Internacional da Canção, 1972)
# Mutantes - Cavaleiros Negros, Tudo Bem e Balada do Amigo (1976)


Participações

# Panis et Circenses/Tropicalia (c/Gilberto Gilberto, Caetano Veloso e outros, 1968)
# A Banda Tropicalista do (Rogério) Duprat (intepretação das músicas Canção Pra Inglês/Chiquita Bacana, The Rain, The Park and Other Things e Lady Madonna e Cinderella Rockfella, 1968)
# Gilberto Gil #1 (acompanhamento nas músicas Coragem Pra Suportar, Domingou, Pega a Voga Cabeludo, Ela Falava Nisso Todo o Dia, Procissão, Luzia Luluza, Pé de Roseira e Domingo no Parque, 1967)
# Ronnie Von #3 (acompanhamento nas músicas O Homem da Bicicleta, A Chave, Soneca Contra o Barão Vermelho, Pra Chatear, A Filha do Rei, Meu Mundo Azul ( Lullaby To Him - The Hollies), O Manequim, A Importância da Flor, 1967)
# Caetano Veloso #1 (acompanhamento na música Eles, 1968)
# Gilberto Gil (em A Batalha das Latas ou a Falência do Café, 1968) Nana Caymmi (em Bom Dia, 1967)
# Caetano Veloso (em É Proibido Proibir, em estúdio e ao vivo, 1968)
# Gemini II (acompanhamento vocal em Lindo e Tchau Mug, 1966)
# Tony Campello (vocais das Teenage Singers em Pertinho do Mar e O Meu Bem Só Quer Chorar Perto de Mim, 1965)
# II Festival Estudantil da Música Popular Brasileira (com Glória ao Rei dos Confins do Além, 1968)
# IV Festival Internacional da Canção Popular - Fase Nacional (com Ando Meio Desligado, ao vivo, 1969)
# Som Livre Exportação (com Top Top, 1971, a mesma versão do Jardim Elétrico) # Som Livre Exportação Nº 2 (com Benvinda, 1971, versão editada com aplausos no início, meio e fim da música, simulando uma apresentação ao vivo)
# Grandes Sucesso do FIC 72 (com Mande um Abraço Pra Velha, 1972)
# Nova História da Música Popular Brasileira - Rita Lee/Mutantes/Secos & Molhados - Abril Cultural (10 polegadas)
# HMPB-59 - 1978 (Caminhante Noturno, 2001)


Coletâneas

Algo Mais (1986, lp)
Personalidade (1994, cd)
Minha História (1994, cd)
Coleção Obras Primas (1996, cd)
Millennium - 20 Músicas do Século XX (1998, cd)
Everything is Possible (Luaka Bop, 1998, cd)
A arte de Os Mutantes (Universal, 2006, CD)


* Colaborou Leandro Sá (do Bidê ou Balde) 






POSTADO EM: /Livros / A História Secreta do Rock Brasileiro