Davila 666 / Pocos años, muchos daños



12 Outubro 2017

por Fernando Rosa

A banda portoriquenha Davila 666 é um daqueles fenômenos que talvez só ocorram no rock. Incríveis ao vivo, gravaram dois discos e sumiram depois de algum tempo. Nesse período, agitaram a cena musical de Porto Rico e do underground norte-americano. Seus dois discos oficiais são clássicos padrão-Ramones.

Mas como toda lenda do rock, Davila 666 não saiu do cenário sem deixar surpresas. Uma delas é um disco, em cd, contendo seus singles e EPs. Com o sintomático nomes de "Pocos años, muchos daños", reúne 16 canções. Uma coleção que qualquer banda moderna, ou mesmo das antigas, assinaria embaixo.

Também conhecidos - piada interna - como "os Menudos drogados", Davila 666 reúne todos os atributos para provocar paixões. Na música deles tem tudo, das "girl groups" dos 50 à garagem moderna e ao pop latino, passando por Motown, The Who, Stooges, Ramones e o punk. Tudo com um identidade e genialidade.

No disco, estão hits como "Primeira muerta", que abre a seleção, "Pingorocha y la diva rockera" e "Pa que vives". Além de covers como "Telefono" (The Nerves/Blondie) e "Borrando el negro" (The Rolling Stones). Uma coletânea com toda pinta de disco de carreira - no caso, o terceiro e derradeiro.






POSTADO EM: /Resenha