Incredible String Band / Liquid Acrobat Regards the Air



20 Dezembro 2018

por Fernando Rosa

"Este disco é tão bom que deve ter saído aqui por engano", assim a Rolling Stone brasileira, em sua edição nº 16, de 15 de agosto de 1972, iniciava a resenha do álbum Liquid Acrobat as Regards the Air, dos escoceses The Incredible String Band. "A Incredible é uma banda fora do comum e se você se amarra em coisas mágicas, este LP vai ser uma bíblia. As canções folclóricas mais estranhas, os sons que povoam os quatro cantos do mundo, e um clima ritualístico chapante estão presentes nas faixas desse 'Liquído Acrobata'", continuava a crítica. A positiva receptividade ao álbum era mais do que merecida, e continua valendo até o dias de hoje, com a banda sendo referência para muita gente.

Antes dos irmãos Jim & William Reid, do Jesus and Mary Chain, Glasgow já tinha produzido, em meados dos anos sessenta, a dupla Robin Williamson e Mike Heron, as figuras principais da Incredible String Band. Fundada em 1965, quando surgiu no The Incredible Folk Club, em Glasgow, a banda ainda contou com a participação de Clive Palmer, que abandonou a dupla após o primeiro disco. Desde essa época até 1968, a dupla Williamson e Heron, além de cantar e compor, segurou as pontas, desdobrando-se na execução de diferentes instrumentos. Nesse ano, é lançado o terceiro álbum da banda – o clássico The Hangman's Beatiful Daughter, com a participação de Locorice MaKechnie e Malcolm Le Mainstre.

Com este disco, mais elétrico do que os anteriores, The Incredible String Band conquista definitivamente parcela da juventude, já militantes do modo de pensar e/ou viver existencialista "hippie" pós-"Verão do Amor" – que eles registraram no disco anterior 'The 5000 Spirits or the Layers of the Onion'. E não poderia ser diferente, diante da estética desenvolvida pela banda, influenciada por sonoridades variadas, com instrumentos os mais estranhos e letras falando de mitologia antiga. No som da Incredible String Band, em discos e shows, cabiam zumbido de abelha, barulho de água correndo, a nativa música celta e folk indiano, e instrumentos como guitarra, kazoo, flauta, bandolin, oboé, harpa, órgão, cello e banjo, entre outros menos usuais, com apitos, balde d’água e colheres.

"Há algo de misterioso, oculto e inexplicável com a Incredible String Band: é como se eles fossem conjurados do nada por um mágico encantamento", disse John Kepler, em matéria da Rolling Stone americana, traduzida para a versão brasileira da revista, também em agosto de 1972. Isso, no entanto, não foi suficiente para garantir uma boa recepção para a banda no festival de Woodstock, quando se apresentaram entre Credence Clearwater Revival e Canned Heat, depois de desisitirem de tocar no dia anterior, devido a forte chuva. O evento acabou funcionando com um sinal dos tempos para a banda e sua sonoridade estranha e multifacetada que, depois de gravar o clássico Liquid Acrobat ... e mais dois álbuns, acabou em 1974, deixando um total de doze álbuns gravados e quase uma dezena de coletâneas e registros ao vivo. No Brasil, também foi lançada a coletânea Seasons They Change, com músicas dos primeiros discos, até 1971.
 




Discografia sugerida

The Incredible String Band (1966)
The 5000 Spirits or the Layers of the Onion (1967)
The Hangman’s Beatiful Daughter (1968)
Liquid Acrobat as Regards the Air (1971)
BBC RadioLive in Concert (1971/1972 – 1992)






POSTADO EM: /Resenha