A série instrumental que popularizou a guitarrada



20 Julho 2019

por Fernando Rosa

A gravadora Gravasom, em Belém, no Pará, foi decisiva para a construção de uma cena musical e para o desenvolvimento de gêneros musicais amazônicos como a lambada e o brega. Nos anos oitenta, sob a batuta de Alípio Martins, centenas de artistas da região Norte e também do Nordeste do Brasil gravaram seus discos na Gravasom. A gravadora era propriedade do empresário, radialista e também cantor Carlos Santos - é dele o mega hit "Quero você", que vendeu 1,5 milhão de cópias.

Além de gravar os artistas da região, a Gravasom incentivou o mercado local com o lançamento de duas séries de discos, que cruzaram os anos oitenta. A primeira, sob o título de "Guitarradas - Lambadas Ritmo Alucinante", com assinatura de um guitarrista fictício, trazia temas do gênero em versão instrumental. A segunda continha clássicos da música centroamericana, em especial das Antilhas - atualmente com alguns títulos disponíveis em versão digital.

A série "Guitarradas" teve sete volumes, lançadas entre 1982 e 1991, com pequenas alterações em sua apresentação, combinando as expressões "guitarrada" e "lambada". A série era creditada ao guitarrista Carlos Marajó (Carlos, do dono da Gravasom, e Marajó, da ilha), na verdade um pseudônimo inventado pela gravadora. O primeiro volume, segundo o blog Lambadas das Quebradas, foi gravado pelo guitarrista amazonense Oseas, e os demais pelo paraense Aldo Sena.



"O primeiro disco (de 82) teria sido gravado por Oseas acompanhado do seu grupo na época, o Lambaly. Já os volumes seguintes teriam Sena na guitarra solo", diz Bruno Rabelo no perfil de Youtube do Lambadas nas Quebradas. "Após inúmeros discos de lambada instrumental editados pela Gravasom nos anos 80, a década seguinte foi ingrata para os instrumentistas do estilo", completam. A Gravasom fechou seu estúdio no início dos anos noventa e, com isso, a guitarrada ficou praticamente uma década sem lançamentos fonográficos.

Ainda segundo o Lambadas das Quebradas, "a banda base do disco parace ser o grupo Warilou (com o talentoso Barata na guitarra base) cuja liderança era exercida pelo maestro Manoel Cordeiro, na época ainda tecladista". "Outra característica a ser destacada deste LP é que no ano de seu lançamento estávamos ainda sob o impacto da guerra do golfo, fim da União Soviética , e início do fim da era Collor, entre outras questões". Isso, segundo os editores do blog, explica o cunho "político e geopolítico" nos títulos "Som do Gorbachev", "Lambada do Bush" , "Lambada do Saddam", "Lambada dos congressistas", "Lambada dos descamisados" e o "Melô do Collor".

Série "Guitarradas":

- Volume 1 - Guitarradas/Lambadas ritmo alucinante
- Volume 2 - Guitarradas/Lambadas ritmo alucinante
- Volume 3 - Guitarradas
- Volume 4 - Guitarradas/Melô do corrupto
- Volume 5 - Guitarradas/Melô da camisinha
- Volume 6 - Guitarras/Lambadas de guitarra
- Volume 7 - Guitarradas



Os Brasas de Maraú

Outro disco gravado por "Carlos Marajó" (creditado como autor de música e letra) é o Volume 1, na verdade único, do grupo Os Brasas de Maraú, lançado pela Gravasom, em 1982. Os Brasas de Maraú é uma espécie de "extra" não incluído na série "Guitarradas" naquele momento, talvez por ter canções com letras. Assim, neste disco, Carlos Marajó também mostra sua habilidade como letrista. "Sabemos que quem compôs e tocou guitarra neste disco foi Aldo Sena, a maior personificação de Carlos Marajó", dizem os editores do perfil Lambadas das Quebradas,no Youtube.
 







* Com Lambadas das Quebradas - https://goo.gl/qy687S

#Lambada40Anos
 






POSTADO EM: /OndasTropicais