Marinho, a guitarra de ouro



14 Outubro 2018

por Fernando Rosa

O guitarrista Mário Simões, Marinho Guitarra de Ouro, de Belém, estado do Pará, ao Norte do Brasil, iniciou a carreira como integrante do grupo de Mestre Solano, com quem gravou os três primeiros discos. Em 1986, Marinho lançou seu primeiro e único disco batizado "Melô da Pirâmede", gravado na Gravasom, em Belém, para o selo Discos Polydisc. Com mais de três, o disco é uma das obras mais raras da dicografia da música amazônica.

A música "Melô do Apaixonado", que fecha o disco, espécie de "Je T'aime" tropical, com sussurros sexuais, é um dos grandes hits da guitarrada paraense. Lançado no mesmo ano de "Selvagem", dos Paralamas do Sucesso, o disco também traz a música "Invocado", irmã-gêmea de "Alagados", em versão guitarrada. Além da faixa título, a música "Arrepiando" é outro destaque, com suas guitarras dobradas, no estilo "hawaiano" do clássico Poly - um dos heróis de Mestre Vieira.

Seu único disco conta com a participação dos músicos Guru, na guitarra base; Júnior, na bateria; Jorginho, no baixo; e Cláudio, nos teclados. A direção artística foi de Américo Lima e a produção de Charles, que também divide a autoria das músicas do álbum. O técnico de som foi Fernando Arthur, a mixagem da Equipe A e capa de Edna Batista, com foto da Foto Galeria. O disco foi gravado com bateria eletrônica.

Em 2001, Marinho assinou outro grande hit da música paraense, o brega “Rupinol”, ainda hoje presente nas listas de rádios e festas. Atualmente incluído entre os principais guitarristas da lambada paraense, Marinho morreu em decorrência de um acidente de carro.






POSTADO EM: /PoderVerde