Frank Jorge, Vida de Verdade #10anos



15 Agosto 2013

por Fernando Rosa

Todos os discos solo de Frank Jorge são obrigatórios, o primeiro é um clássico inconteste, mas Vida de Verdade, que completa 10 anos em 2013, disputa a preferência emocional da casa. Sem o mesmo apelo midiático, digamos assim, do disco de estréia – Carteira Nacional de Apaixonado -, Vida de Verdade ecoava Jovem Guarda mas dava um passo à frente. Naquele longínquo ano de 2003, Frank Jorge buscava novos climas, flertava com Beach Boys e seus seguidores modernos, como High Llamas – citada na faixa instrumental Llamas.

Vida de Verdade traz uma das canções “lado b” mais geniais de Frank Jorge, a quase-milonga sombriamente bela “Quando Aconteceu (A Chance). Outro destaque é Falando da Chuva, que abria a demo-cassete de Carteira Nacional de Apaixonado e ficou de fora do disco oficial. Mas, claro, o disco traz as canções definitivas de Vida de Verdade, em especial Você Não é Tão Legal Quanto Você Pensa (na clássica conexão Porto Alegre-Liverpool), a faixa título com seus sopros épicos e Já Me Cansei, além de Concurso Literário.

Trazendo uma foto de seus pais na capa, o CD Vida de Verdade trazia para aqueles primeiros anos do Século XXI um sentimento de realidade, de aproximação do artista com a vida real. Algo que a cena independente perseguiu e que, até certo momento, embalou o sonho de muita gente em ver uma nova realidade para o cenário da música jovem brasileira. Um compromisso artístico e humano que Frank Jorge manteve em sua carreira futura, que já está chegando ao quarto disco, além do trabalho com a Graforréia Xilarmômica.

Vida de Verdade foi produzido por Iuri Freiberger e pelo próprio Frank Jorge, e contou com participações especiais de Pedro Veríssimo (voz), Marcelo Camelo (arranjos de cordas), Fernanda Takai (vocais) e John (samples). O disco foi gravado no clássico e lendário Estúdio Dreher, em Porto Alegre, pelos irmãos Thomas e Gustavo, com mixagem do último. Tocam no disco, além de Frank, Eduardo Christ (guitarras), Wilson Picco (bateria), Régis Sam (baixo), Iuri Freiberger (bateria e teclados), mais Carlos Malmman, Pedro Gonzaga, Alex Anjinho, Luciano Kersting e Gustavo Dreher nos sopros. 






POSTADO EM: /Resenha