El Mapa de Todos 2012: vitória da música de todos os povos



01 Maio 2013

da Redação

O Festival El Mapa de Todos ocorreu durante três dias, em Porto Alegre, com participação de 15 artistas locais, nacionais e latinos, de sete diferentes países. Os shows, em número de cinco por noite, foram realizados na casa de shows Opinião, e os debates na Casa de Cultura Mário Quintana. ”O que Porto Alegre viu em três dias de El Mapa de Todos (acima de politicagem barata e blá blá blá) foi a vitória da música de todos os povos. É preciso bater palmas: o El Mapa de Todos merece”, definiu o jornalista Marcelo Costa, do site Scream & Yell.

O festival El Mapa de Todos contou pela segunda vez com o patrocínio da Petrobras, com apoio do Ministério da Cultura, por meio da Lei Rouanet, de Incentivo Federal. O evento também teve apoio especial da Secretaria de Cultura do Estado do Rio Grande do Sul – SEDAC, e da central sindical Força Sindical. O Instituto Estadual de Música, o Insituto Girassol, o movimento Cidade Baixa em Alta, o Instituto Cervantes, o Centro Cultural Peruano, o Senalba e outras instituições e entidades também apoiaram a iniciativa.

Em três dias de shows, foram realizadas 15 apresentações, segundo o cronograma abaixo, iniciando pontualmente às 21 horas. Os palcos de cada um dos dias foram batizados com os nomes de “Cidade Baixa em Alta”, “Paebiru: O Caminho da Montanha do Sol” e “Mundo Diablo”, em homenagem à banda Nenhum de Nós, precursora da integração no extremo Sul do Brasil. Ao longo dos três dias de shows, 2.500 pessoas compareceram ao Opinião, de diferentes idades, origem social, países e localidades do Mercosul, do Brasil, da Região Sul e do Rio Grande do Sul.

O Festival El Mapa de Todos consolidou-se junto ao público local que lotou o Opinião nas três noites, aplaudiu e cantou indistintamente seus ídolos locais e os convidados latinos. Apoiado em conceito claro, conteúdo editorial e qualidade técnica, o Festival El Mapa de Todos afirmou-se junto à comunidade dos países ibero-americanos como o principal evento do Brasil no gênero. Ao mesmo tempo, a ampla e generosa cobertura da mídia local – rádio, jornal e televisão – confirmou o festival no “calendário cultural” do estado.

“Em sua terceira edição, o El Mapa de Todos chega ao ápice com uma programação inteligente e respeito de um bom público, que o transforma em um exemplo de qualidade e perseverança. Não é uma conquista a toa. Por trás do festival, a figura exemplar de Fernando Rosa (o Senhor F) prova por a (bons nomes escolhidos a dedo da vasta cena ibero americana) mais b (uma produção cuidadosa que valoriza a música) que não basta prometer festivais e revoluções; é preciso, sim, estar atento ao conteúdo, respeitar o público e respeitar o artista”, destacou o jornalista Marcelo Costa, do portal Scream & Yell, de São Paulo.

Programação musical

6 de novembro - terça-feira

General Bonimores (Brasil)
Algodón Egípcio (Venezuela)
Esteban (Brasil)
Franny Glass & Banda (Uruguai)
Apanhador Só (Brasil)

7 de novembro - quarta-feira

The Tape Disaster (Brasil)
NormA (Argentina)
Bidê ou Balde (Brasil)
Bareto (Peru)
El Cuarteto de Nos (Uruguai)

8 de novembro - quinta-feira

Medialunas (Brasil)
Dënver (Chile)
Autoramas (Brasil)
Juan Cirerol (México)
Nenhum de Nós (Brasil)


 






POSTADO EM: /Festival /3ª Edição