Los Destellos, pioneiro da cúmbia psicodélica peruana



05 Agosto 2018

por Fernando Rosa

O tema pré-Santana "Guajira Psicodélica", gravado e lançado em 1968, poderia sugerir um outro destino para a banda Los Destellos, que não o de fundadora da “cumbia psicodélica” peruana. O marco zero de Los Destellos é seu disco de estréia, de 1968, que fundia rock, em especial sua vertente psicodélica, com melodias andinas e criolas, em especial as sonoridades amazônicas.

Fã dos Beatles, Enrique Delgado participou do grupo The Black Boys, depois Los Cuervos, em meados dos anos sessenta, mas encontrou seu caminho ao ser convidado por Humberto “Tito” Caycho Alcántara para formar um “conjunto tropical”, com guitarra elétrica. O grupo surgiu em 1966, liderado pelo guitarrista Enrique Delgado, um dos maiores instrumentistas do mundo, equiparando-se aos grandes mestres ingleses e americanos do rock.

Além de Delgado, voz e guitarra solo, integravam a formação original de Los Destellos os músicas Matías Fajardo no baixo, Enrique Guillermo Medina, segunda guitarra, Eduardo Rivera na bateria e Elsa Salgado, backing vocals. Ao longo da carreira de Los Destellos, que segue até os dias de hoje, passaram cerca de 80 músicos pela banda, o que deu a ela o título de “La Universidad de la Cumbia Peruana".

O primeiro disco abriu o caminho para o surgimento de dezenas de outros grupos espalhados pelo país, que agregaram as peculiaridades regionais que fez da cumbia o gênero mais tradicional e conhecido da música peruana. Enrique Delgado morreu em 1996, mas Los Destellos prosseguiu liderado por sua irmã Edith Delgado Montes, empresária da banda e dona da marca.






POSTADO EM: /Resenha