Velvet Crush / In The Presence of Greatness



19 Agosto 2018

da Redação

Os anos noventa não foram apenas grunge, britpop ou indie, que ganharam o mainstream e o mundo, entre outras correntes do rock. Apesar de pouca visibilidade, o power pop ocupou um grande espaço na vida de muita gente, deixando um legado de obscuros mas geniais discos. No portal Senhor F, tem matéria assinada pelo editor Fernando Rosa listando 40 discos dessa geração, dos quais 20 americanos e 20 de outros países.

Um grupo que transitou entre o indie clássico, o shoegazer e o power pop foi a banda americana Velvet Crush. Natural de Rhode Island, Velvet Crush era formada por Paul Chastain (baixo e vocal), Rick Menck (bateria) e Jeffrey Underhill (guitarra). Extinta em 1996 e reagrupada em 1998, a banda tem, pelo menos, três discos clássicos: In the Presence of Greatness, Teenage Symphonies to God e Heavy Changes, com produção de Matthew Sweet e Mitch Easter.

O disco mais conhecido é Teenage Symphonies do God, mas o mais fiel ao espírito da banda é o disco de estréia In The Presence of Greatness, que explode em refrões memoráveis, em guitarras abertas e harmonias vocais sessentistas. O disco original tem dez faixas, todas com a marca genial do trio – com destaque para Window To The World, que abre o disco, Drive Me Down e Speedway. A reedição traz três bônus, entre elas dois covers para Jonathan Richman (She Cracked) e Teenage Fanclub (Everything Flows).






POSTADO EM: /Resenha