Bob Dylan / Blood on The Tracks



15 Novembro 2018

por Captain Soul (aka Fernando Rosa)

Após Blonde on Blonde (1966) e John Wesley Harding (1967), Bob Dylan enveredou pelos caminhos da country music, com resultados inferiores a dimensão de sua extraordinária obra produzida até então. Em 1974, depois de assinar a bela trilha do filme Pat Garret & Billy The Kid, Dylan retoma a parceria com o grupo The Band e lança o belo Planet Waves. Mas, foi com Blood On The Tracks, lançado um ano depois, que Bob Dylan inaugurou sua "segunda" vida e reconquistou seus mais tradicionais fans.

Com uma capa tosca para os padrões da época, Blood On The Tracks apresentava canções com a força e, especialmente, a paixão, que marcou a primeira fase da carreira do bardo americano. Começando pelo hit Idiot Wind, desfilavam pelo álbum clássicos eternos como Tangled Up In Blue, Simple Twist Of Fate, You’re a Big Girl Now e If You See Her, Say Hello. Em todas elas, alternados climas de perda, conquista, sofrimento, resignação e, acima de tudo, um reconfortante senso de humanidade, importante naquele momento de vazio pós-Woodstock.

Além das letras que, particularmente, retratavam o período pós-separação de sua mulher, Sara, o instrumental do álbum contribuiu decisivamente para transformar Blood On The Tracks em um novo clássico de Dylan. Com Dylan ao violão e gaitinha, estão músicos forjados no country, no folk rock e também na música negra, como Paul Griffin (pianista que tocou com Aretha Franklin e outros astros da Motown), Buddy Cage (steel guitar, ex-New Riders Of The Purple Sage) Eric Weissberg & Deliverance (um herói do banjo).

Este pode não ser um dos primeiros da lista dos melhores álbuns de Bob Dylan, mas certamente é um dos mais apaixonantes e atuais de toda a sua obra. Sem soar datado em nenhum momento, Blood On The Tracks mantém sua capacidade de emocionar qualquer ouvinte, desde que disposto a abrir seu coração às palavras do mestre. Um disco fundamental na obra de Dylan e um dos mais importantes da história do rock, particularmente nos confusos anos setenta.

* Captain Soul é sobrevivente das 'viagens intergaláticas' e colaborador de Senhor F. 






POSTADO EM: /Resenha