Ojos de Brujo / Vengue



16 Março 2017

 da Redação

Até 2010, a banda espanhola Ojos de Brujo, de Barcelona, foi uma das referências da fusão do flamenco com outras vertentes da música espanhola e do mundo. Nesse período, gravaram quatro discos de estúdio - o primeiro em 1999 (Vengue), o segundo em 2002 (Bari), o terceiro em 2006 (Techarí) e, por último, o quatro em 2009 (Aocaná). Após uma série de shows de promoção do último disco, a banda dissolveu-se em 2010.

O primeiro disco, Vengue, é resultado do trabalho original do grupo, ainda menos uma banda e mais um coletivo reunindo em torno do guitarrista Ramon Giménez. Vengue foi gravado de forma totalmente independente, sob a auto-gestão da banda, em todas as suas fases de produção e difusão. O disco condensa todas as experimentações dos músicos, em torno da fusão do flamenco com outros gêneros, o que abriu caminho para o grupo em vários países do mundo.

Em 2002, com o segundo disco, o coletivo cria o selo La Fábrica de Colores e transformam-se em artistas de nível internacional, circulando por diversos festivais europeus e americano, além de outras regiões. Ainda hoje, o grupo é lembrado por que buscou aproximar-se da sonoridade espanhola e latina, especialmente a partir dos anos noventa. Ojos de Brujo contribuiu com isso, e seu disco de estreia ainda é uma audição obrigatória.






POSTADO EM: /Resenha